Tese de doutorado sobre a “degeneração” da música brasileira

Por: Pragmatismo Político

A música brasileira está decadente – sans élégance. Difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido uma frase como essa. Refine o gênero, e as frases continuarão a fazer sentido para muitas pessoas. O funk, o sertanejo, o forró, o pop, todas as músicas consumidas pelas massas não prestam.

Um estudo acadêmico parte do forró eletrônico, ouvido à exaustão em todo o Nordeste, para investigar o que muitos chamam de “degeneração” da música popular. O professor Jean Henrique Costa, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, obteve o título de doutor em Ciências Sociais com a tese “Indústria Cultural e Forró Eletrônico no Rio Grande do Norte”, defendida em março de 2012 na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O pesquisador defende que o gênero preferido entre os nordestinos faz parte de uma engendrada indústria cultural, por meio da qual são criadas e sustentadas formas de dominação na produção e na audição desse tipo de música.

Foto: Divulgação

Segundo ele, quando uma banda de forró eletrônico recorre a canções de temática fácil, na maioria das vezes ligadas à busca de uma felicidade igualmente fácil, ela está criando mecanismos para a formação de um sistema de concepção e circulação musical. Nele, nada é feito ou produzido por acaso. Tudo acaba virando racionalizado, padronizado ou massificado.

O ideal de uma vida festeira, regada de uísque,caminhonete 4×4 e raparigas (mulheres) é hoje um símbolo de status e prestígio para muitos dos ouvintes. Ninguém quer ficar de fora da onda de consumo. Numa das partes da pesquisa, Costa analisou o conteúdo das letras dos cinco primeiros álbuns da banda Garota Safada e descobriu que 65% das músicas falam de amor, 36% de sexo e 26% de festas e bebedeiras.

“Parte expressiva das canções de maior sucesso veicula a ideia de que a verdadeira felicidade acontece ‘no meio da putaria’, ou seja, nos momentos de encontros com os amigos nas festas de forró”, escreveu Costa. “Não se produz determinada música acreditando plenamente que se está criando uma pérola de tempos idos, mas sim um produto para agradar em um mercado competitivo muito paradoxal: deve-se ser igual e diferente concomitantemente.” Ou seja, a competitividade do mercado induz à padronização dos hits.

“O que move o cotidiano é isso mesmo: sexo, amor, prazer, diversão. O forró e quase toda música popular sabem muito bem usar desse artifício para mover suas engrenagens”, explicou Costa. “Não é por acaso que as relações sexuais são tão exploradas pelas canções de maior apelo comercial a ponto de se tornarem coisificadas à maneira de clichês industriais.”

REFERENCIAL TEÓRICO

Outros gêneros musicais também recorrem a estratégias semelhantes. O forró eletrônico consegue se diferenciar dos demais ao dar uma roupagem de “nordestinidade”, criando a identificação direta com o seu público. Mas o objetivo final de todos é proporcionar diversão. O problema, segundo Costa, é que “se vende muito pão a quem tem fome em demasia”.

Costa baseou sua pesquisa no referencial teórico de Theodor W. Adorno, um dos ideólogos da Escola de Frankfurt. O pesquisador procurou atualizar o conceito de indústria cultural a partir da constatação de que as músicas do forró eletrônico são oferecidas como parte de um sistema (o assédio sistemático de tudo para todos) e sua produção obedece a critérios com objetivos de controle sobre os efeitos do receptor (capacidade de prescrição dos desejos).

O pesquisador recorreu ainda a autores como Richard Hoggart, Raymond Williams e E.P. Thompson para abordar o gênero musical a partir da leitura dos estudos culturais (a complexa rede das relações sociais e a importância da comunicação na produção da cultura), que dialogam com outro conceito anterior, o de hegemonia, de Antonio Gramsci. Pierre Bourdieu também serve de referencial teórico.

Ao amarrar essas teorias, o pesquisador argumenta que o público consumidor de músicas acaba fazendo parte de esquemas de consumo cultural potentes e difíceis de serem contestados. Neles, até o desejo acaba sendo imposto. Em entrevista a FAROFAFÁ, Costa exemplifica esse fato com a atual “cobrança” pelo consumo de álcool, onde a sociabilidade gira em torno de litros de bebidas.

“O que se bebe, quanto se bebe e com quem se bebe diz muito acerca do indivíduo. O forró não é responsável por isso, mas reforça.” Para o pesquisador, o consumo de bebidas se relaciona com a virilidade masculina, que, por sua vez, se vincula à reprodução do capital.

“Não reconheço grande valor estético (no forró eletrônico), mas considero um estilo musical que consegue, em ocasiões específicas, cumprir o papel de entreter”, afirmou. O pesquisador ouve todo tipo de música (samba-canção, samba-reggae, rock nacional dos anos 1980 e 1990, bolero, tango, entre outros), mas sua predileção é por nomes como Nelson Gonçalves e Altemar Dutra.

Para cobrir essa lacuna sobre o gênero que iria pesquisar, Costa entrevistou nomes como Cavaleiros do Forró, Calcinha de Menina, Balança Bebê eForró Bagaço. O seu objetivo foi esquadrinhar desde uma das maiores bandas de forró eletrônico do Rio Grande do Norte até uma banda do interior que mal consegue fazer quatro apresentações por mês e cobra em torno de R$ 500 por show.

É dentro desse contexto de consumo de massa de hits que nascem e morrem, diariamente, pelas rádios e carrinhos de CDs piratas, que prevalece o forrozão estilo “risca a faca” e “lapada na rachada”, para uma população semiformada (conceito adorniano de Halbbildung), explica Costa. Sobra pouco ou nenhum espaço para nomes consagrados do gênero.Entre os extremos de quem ganha muito e quem mal consegue sobreviver com o forró, o professor constatou que o sucesso é um elemento em comum, e algo difícil de ser obtido. Depende de substanciais investimentos financeiros e também do acaso – ter um hit pelas redes sociais ajuda. É por isso que Costa afirma que Aviões do Forró e um forrozeiro tecladista independente estão em lados completamente opostos, mas ainda têm algo basilar em comum: a indústria cultural.

Luiz Gonzaga, por exemplo, embora seja o símbolo maior do gênero e tratado com respeito pela maioria dos nordestinos, acaba sucumbindo a essa indústria cultural. “A competição é desigualmente assimétrica para o grande Lua. O assum preto gonzagueano, nesse sentido, bateu asas e voou.”

Costa diz não ser um pessimista ou só um crítico ferrenho do forró eletrônico. Tampouco que tem pouca esperança de que a música brasileira seja apenas uma eterna engrenagem da indústria cultural. Ao contrário, é dentro dela própria que ele vê saídas para o futuro da produção nacional. “Se vejo alguma possibilidade de mudança pode estar justamente nesses estúdios caseiros de gravação de CDs, nas bandas de garagem, no funk das periferias, no tecnobrega paraense. Não afirmo que a via é essa, mas que é um devir, uma possibilidade que pode não ir para além do sistema, mas minar algumas de suas bases”, concluiu.

Leia a tese na íntegra

Unidade Constituída por Deus

Por Christie Tristão

Escolhi este tema para compartilhar com vocês hoje, porque creio que este é um assunto de extrema importância dentro do contexto Ministério de Louvor. Quando falamos de Ministério de Louvor, estamos nos referindo a um grupo de pessoas reunidas para cumprir um propósito. A respeito do propósito já compartilhamos nos artigos anteriores, e hoje iremos tratar de alguns pontos referentes aos relacionamentos dentro das equipes.

Um dos grandes desafios que enfrentamos na igreja de um modo geral, em relação ao cumprimento do propósito (a grande comissão) é a falta de unidade. No livro de João capítulo 17 em sua oração Jesus intercede ao Pai em relação à unidade com uma finalidade: “Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles, para que todos sejam um, Pai como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um: eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste.” João 17: 20-24

Como igreja, corpo de Cristo nós temos uma missão a cumprir na terra. Fomos alcançados pela salvação, pelo amor de Deus e assim nos tornamos parte de um todo sobre o qual o cabeça é Cristo. A nossa conversão à Cristo significa renunciar o meu “eu” e me encher Dele. “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim.” Gálatas 2:20 A nossa missão será cumprida de fato, quando entendermos que para alcançar o propósito precisamos nos esvaziar de nós mesmos e nos render à vontade de Deus, assim como Jesus nos ensinou. “Seja a atitude de vocês a mesma de Cristo Jesus, que embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo que devia apegar-se; mas esvaziou a si mesmo, vindo a ser servo, tornando-se semelhante aos homens.” Filipenses 2: 5-7

Caminhar em unidade, renunciar o “eu”, tomar a nossa cruz, só se torna possível pela obra e graça de Deus em nós em resposta à nossa decisão pessoal de nos render ao senhorio Dele. Uma das grandes dificuldades que enfrentamos no grupo de louvor é referente aos relacionamentos de um modo geral. Toda equipe é formada indivíduos diversos, que trazem consigo uma bagagem (emocional e espiritual) distinta e pessoal. No caso do ministério de louvor, a equipe é formada por músicos que têm no seu DNA natural mais sensibilidade, necessidade de reconhecimento dentre outras características. Estas características sem a cruz de Cristo, elas se tornam grandes problemas e até mesmo um impedimento para o cumprimento do propósito que é servir à Deus e as pessoas. Um grupo de músicos cheios de si mesmo não chega a lugar nenhum, pode aprender a executar com beleza e arte a música, mas não passa disto.

Fomos chamados por Deus para vivermos o sobrenatural e irmos além de uma boa música. Temos um chamado para proclamarmos uma mensagem viva que transmite vida às pessoas. Só alcançaremos este propósito se decidirmos renunciar a nós mesmos e buscar de fato viver em unidade em Cristo Jesus.

Eu poderia enumerar vários problemas que acontecem comumente em nossas equipes em detrimento da falta de unidade, mas eu não teria como te apontar soluções humanas estratégicas que poderiam de fato solucionar os mesmos. A verdadeira solução não virá através de estratégias humanas, reuniões de unidade, ou qualquer outra atividade que não estiver respaldada e alicerçada nos princípios de Deus. Vejo em muitos lugares líderes cansados e desanimados pela falta de unidade dentro de suas equipes, tenho encontrado também pastores frustrados e desencorajados com a equipe de louvor, por outro lado existem queixas das equipes em relação ao relacionamento com os pastores e líderes. Enfim, onde há pessoas, há problemas, e onde há Deus há soluções. Eu gostaria de encerrar esta reflexão citando um texto maravilhoso que traz resposta para esta questão:

“Portanto, lembrem-se de que anteriormente vocês eram gentios por nascimento e chamados incircuncisão pelos que se chama circuncisão, feito no corpo por mãos humanas, e que naquela época vocês estavam sem Cristo, separados da comunidade de Israel, sendo estrangeiros quanto às alianças da promessa, sem esperança e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vocês, que antes estavam longe, foram aproximados mediante o sangue de Cristo. Pois ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um e destruiu a barreira, o muro de inimizade, anulando em seu corpo a Lei dos mandamentos expressa em ordenanças. O objetivo dele era criar em si mesmo, dos dois, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliar com Deus os dois em um corpo, por meio da cruz, pela qual ele destruir a inimizade. Nele vocês também estão sendo edificados juntos, para se tornarem morada de Deus por seu Espírito.” Efésios 2: 11-16, 22

Conclusão: Só cumpriremos de fato o propósito se caminharmos em unidade, se compreendermos este caminho de renúncia, esvaziamento do “eu” e enchimento de Deus. A verdadeira unidade é constituída por Deus e não por homens.

Aplicação: Gostaria de sugerir um encontro com o seu grupo para a reflexão deste tema e a partir daí definir um tempo de oração, jejum, e consagração em busca da unidade que é gerada por Deus.

10 motivos para você ir a igreja neste domingo

Por Renato Vargens

Num tempo onde os “desigrejados” se multiplicam e a banalização da Igreja se faz presente em nossos arraiais, elenco dez  motivos porque você deve ir a igreja:
1- Você deve ir a igreja neste domingo pelo fato dela ser a “Communion Sanctos”. A igreja é a reunião dos eleitos  em torno do Cristo, que por graça e misericórdia salvou o pecador da condenação eterna.
2- Você deve ir a igreja neste domingo pelo fato dele o ter resgatado do pecado, concedendo-lhe assim a possibilidade de desenvolver atitudes de louvor e gratidão pela vida eterna.
3- Você deve ir a igreja neste domingo pelo fato de que o Senhor o tirou de uma vida solitária para uma vida solidária, o que implica necessariamente em relacionamentos profícuos e compromissados com o corpo de Cristo.
4- Você deve ir a igreja neste domingo pelo fato de que o Senhor determinou que em meio a comunhão ele ordena a sua bênção.
5- Você deve ir a igreja neste domingo para ser edificado pela pregação da Palavra e exposição das Escrituras. O reformador francês João Calvino costumava dizer que a pregação do evangelho é um meio de graça e que através dela o crente é edificado.
6- Você deve ir a igreja neste domingo para estudar as estudar as Escrituras e ser fortalecido pela palavra do Senhor.
7- Você deve ir a igreja neste domingo para amar e ser amado. É na comunhão dos santos que temos a oportunidade de dar e receber amor.
8- Você deve ir a igreja neste domingo para perdoar e ser perdoado. É na comunhão do povo de Deus que ferimos e somos feridos, magoamos e somos magoados, no entanto, é nela também que temos a oportunidade de manifestar o perdão aprendido com Cristo.
9- Você deve ir a igreja neste domingo para manifestar sua gratidão, louvor e agradecimento pela graça e providência divina em sua vida e família.
10- Você deve ir a igreja neste domingo para ensinar àqueles que convivem consigo, (principalmente seus filhos) de que não existe nada melhor do amar, servir e bendizer ao Senhor.

Pense nisso!