Divulgado resultado preliminar das eleições para o Conselho Superior do IFTO

Por Mayana Matos no site ifto.edu.br

Foi divulgado nesta quinta-feira, 26, o resultado preliminar das eleições para os representantes do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (Consup/IFTO).

No total, 1733 eleitores votaram em representantes dos segmentos de técnico administrativo, docente, discente e egresso. O resultado preliminar está disponível na página de eleições do Consup.

Conforme consta no cronograma do regulamento da eleição de representantes do Consup – Biênio 2015-2017 -, o prazo para apresentação de recurso é do dia 27 até às 12h do dia 30 de novembro. A previsão é que o resultado final da eleição seja divulgado no dia 3 de dezembro. A posse dos novos conselheiros está prevista para o dia 11 de dezembro.

Acompanhe as publicações referentes às eleições do Consup aqui.


O resultado preliminar para o segmento técnico-administrativo foi o seguinte:

Conselheiros Titulares

  • Benemara Pereira Pelúzio
    • Campus Palmas
    • 1º Titular
  • Maiara Sobral Silva
    • Reitoria
    • 2º Titular
  • Karleone Lopes do Carmo
    • Campus Araguatins
    • 3º Titular
  • Samuel Barbosa Costa da Silva 
    • Campus Paraíso do Tocantins
    • 4º Titular

Conselheiros Suplentes

  • Rejane Marinho de Sousa
    • Campus Araguaína
    • 1º Suplente
  • Kelly Crystina Rocha Ararias
    • Campus Gurupi
    • 2º Suplente
  • Lucivan Augusto da Silva
    • Campus Porto Nacional
    • 3º Suplente
  • Antonio Junior Moraes Ribeiro
    • Campus Dianópolis
    • 4º Suplente

Vamos dialogar sobre as 30h?

Olá pessoal,

Desde que entrei no IFTO, tenho presenciado uma categoria que é deixada à margem de algumas decisões, e que por outro lado, tem se esforçado para resolver tantas outras.

Uma das propostas de nossa campanha é fomentar a discussão sobre as 30h para técnicos administrativos em educação e vou explicar o motivo:

  • Como proposição do ponto de greve ocorrido em 2012, no Termo de Acordo nº 01/2012 firmado entre o IFTO e o Sinasefe/Seção Palmas (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica), foi criado um grupo de trabalho que deveria discutir o assunto e apresentar proposições para a categoria.
  • Essa comissão, formada dia 20 de novembro de 2012, apresentou uma única nota no dia 26 de agosto de 2013, que falava sobre uma minuta, que seria disponibilizada para contribuições e posteriormente fosse apresentada ao Conselho Superior.

A seguinte frase, escrita à época,  por um ex-coordenador do sindicato, me fez ver que ele tinha uma certa razão no assunto:

“O que ocorre é que não podemos esperar que qualquer comissão instituída por ato da reitoria faça o trabalho para garantir o direito dos trabalhadores. Uma comissão como a que foi formada não possui essa competência. Essa propagação de comissões no Instituto me parece um tanto quanto improdutiva.”

Porém, nem sindicato e nem comissão, que diga-se de passagem, contava com quatro professores (nada contra, mais o assunto é de interesse dos técnicos) e quatro técnicos, sendo que dois deles foram eleitos conselheiros no mesmo ano,  avançaram em proposições e estudos para que pudéssemos contribuir com as discussões e, parte disso, é culpa nossa, que não cobramos os resultados dessa comissão.

Embora a Lei 8.112/90 já traga em seu texto a disposição sobre a jornada de 6h/diárias, precisamos da regulamentação a nível institucional, com descrição de como e quais setores podem solicitar essa jornada.

Então, creio que podemos voltar a discutir isso, realizar os estudos e avançar nessa discussão e, para isso, conto com o seu apoio. Unidos,  conquistaremos muito mais.

Quanto ganha um conselheiro?

Olá pessoal!

Hoje fui questionado por um professor sobre a seguinte situação: se o conselheiro ganha alguma coisa, tendo em vista o que gasta na campanha com panfletos, por exemplo. “Certamente deve ter algum retorno financeiro em cima disso não?” disse.

Art. 18 Os Conselheiros pertencentes à Rede Federal de Educação receberão diárias de acordo com a legislação pertinente; os das demais Instituições receberão ajuda de custo de acordo com a regulamentação do órgão a que pertençam; os membros titulares que não pertençam a nenhuma Instituição terão seus gastos restituídos pelo Campus a que seus pares pertençam

Fora isso, não se recebe nenhum centavo a mais pela participação. Por isso, é importante que os conselheiros sejam idôneos, que possuam caráter e zelo pelo melhor da categoria, para que as decisões tomadas venham sempre a fortalecer o IFTO e não uma categoria específica.

#VemComigo #SamuelBarbosa48 #TAEsUnidosPodemMais

 

O papel do Conselho Superior e dos conselheiros

Quero deixar aqui um breve resumo do papel do conselho e dos conselheiros do Conselho Superior do IFTO (Consup) .

O Consup é o órgão colegiado máximo do Instituto Federal, de caráter consultivo e deliberativo, ou seja, todas as decisões que afetam servidores e alunos passam por votação nesse conselho, entre elas:

  • Aprovar as diretrizes para atuação do IFTO e zelar pela execução de sua política educacional;
  • Deflagrar, aprovar as normas e coordenar o processo de consulta à comunidade escolar para escolha do reitor do IFTO e dos diretores-gerais dos campi, em consonância com o estabelecido nos artigos 12 e 13 da Lei nº. 11.892/2008;
  • Aprovar os planos de desenvolvimento institucional e de ação, e apreciar a proposta orçamentária anual;
  • Aprovar o projeto político-pedagógico, a organização didática, regulamentos internos e normas disciplinares do IFTO;
  • Aprovar normas relativas à acreditação e à certificação de competências profissionais, nos termos da legislação vigente;
  • Autorizar o reitor a conferir títulos de mérito acadêmico;
  • Apreciar as contas do exercício financeiro, o relatório de gestão anual e o parecer conclusivo emitido pela Auditoria Interna do IFTO sobre a propriedade e regularidade dos registros;
  • Deliberar sobre taxas, emolumentos e contribuições por prestação de serviços em geral a serem cobrados pelo IFTO;
  • Autorizar a criação, alteração curricular e extinção de cursos no âmbito do IFTO, bem como o registro de diplomas;
  • Aprovar a estrutura administrativa e o regimento geral do IFTO, observados os parâmetros definidos pelo Governo Federal e legislação específica; XI. Deliberar sobre questões submetidas a sua apreciação.

O conselho é presidido pelo reitor e a distribuição de vagas no conselho é definida da seguinte maneira:

  • Representação de 1/3 (um terço) do número de campi, destinada aos servidores docentes, sendo o mínimo de 02 (dois) e o máximo de 05 (cinco) representantes e igual número de suplentes, eleitos por seus pares, na forma regimental;
  • Representação de 1/3 (um terço) do número de campi, destinada ao corpo discente, sendo o mínimo de 02 (dois) e o máximo de 05 (cinco) representantes e igual número de suplentes, eleitos por seus pares, na forma regimental;
  • Representação de 1/3 (um terço) do número de campi, destinada aos servidores técnico administrativos, sendo o mínimo de 02 (dois) e o máximo de 05 (cinco) representantes e igual número de suplentes, eleitos por seus pares, na forma regimental;
  • 02 (dois) representantes dos egressos e igual número de suplentes, eleitos por seus pares, em encontros de alunos egressos de todos os campi promovidos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins;
  • 06 (seis) representantes da sociedade civil, sendo 02 (dois) indicados por entidades patronais, 02 (dois) indicados por entidades dos trabalhadores, 02 (dois) representantes do setor público e/ou empresas estatais, designados pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica;
  • 01 (um) representante titular e 01 (um) suplente do Ministério da Educação, designados pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica;
  • Representação de 1/3 (um terço) dos diretores-gerais de Campi, sendo o mínimo de 02 (dois) e o máximo de 05 (cinco), e igual número de suplentes, eleitos por seus pares, na forma regimental.

O Papel do Conselheiro

Cabe ao conselheiro enviar propostas para as deliberações, dentro dos prazos estabelecidos pelo regulamento interno e, sempre que possível, solicitar os pareceres jurídicos dessas propostas para embasar as decisões. Como representante de uma categoria, o conselheiro deve verificar se existe na proposta de discussão, algum ponto que prejudique docentes, técnicos administrativos, discentes, egressos ou a própria comunidade.

Todas as informações constam no regimento interno do Conselho Superior do IFTO, disponível aqui.

Técnicos-Administrativos unidos podem fazer muito mais

Com o apoio dos meus colegas técnicos-administrativos do Campus Paraíso do Tocantins, coloquei meu nome à disposição dos técnicos-administrativos do IFTO para ser seu representante no Conselho Superior do IFTO.

Porém, mais do que representar um campus, quero representar uma categoria, que deve lutar e desejar por oportunidades de pesquisa, de projetos de extensão e de qualificação.

Uma categoria unida, pode mais.

Junte-se a nós!
http://smkbarbosa.xyz
#SamuelBarbosa48
#TaesUnidosPorUmIftoMelhor

Começando a campanha

Olá pessoal,

este espaço será o canal de comunicação utilizado para nossa campanha ao Conselho Superior do IFTO. Durante o período de 9 a 23 de outubro, estaremos em busca de debater com os colegas técnico-administrativos os pontos de maior interesse para a categoria.

Creio que podemos avançar e buscar a valorização e dar o devido destaque à categoria e a devida valorização em todos os processos que estamos envolvidos em nossos campi. 

Conto com o seu apoio e estarei sempre à disposição para esclarecer qualquer dúvida.

Abraços,

Samuel Barbosa