Levante-se, uma e outra vez, até que Leões se tornem Cordeiros

Não me equivoquei, é verdade que na última aventura do arqueiro épico de Sherwood, interpretada por Russel Crowe, aparece uma frase antológica:

“Ergue-te e ergue-te novamente, até que cordeiros se tornem leões”.

É uma frase motivacional que cumpre o seu objetivo, impulsionar tímidos e frágeis a converterem-se em guerreiros dispostos a entregar a vida por aquilo que acreditam ser justo.

Eu proponho a frase em seu significado inverso, inspirado nada mais que nas escolhas de vida que tomou outro revolucionário, muito diferente de Robin Hood, e abalou os alicerces de “status quo” de sua época através de suas escolhas tão desconcertantes.

Jesus de Nazaré, o rabino Galileu.

Com uma visão panorâmica, basta dizer que no imaginário coletivo de seus contemporâneos, a esperada vinda do Messias estava rodeada de uma expectativa de guerra.

Mas, Jesus decidiu desde o início desistir de ser um Messias milagreiro, um líder ao estilo dos zelotes ou Macabeus.

O rosto de Deus que Jesus revelou abria as portas de amor e misericórdia a toda essa massa empobrecida, de gente cujas vidas se mantinham longe da salvação pela visão da liderança judaica de seu tempo.

O Reino de Deus havia chegado, libertando os doentes excluídos do culto no Santuário.

Chega livrando os possessos, determinando uma vitória decisiva sobre as forças das trevas.

Chega perdoando os pecadores, mais não através de sacrifícios e abluções.

Chega abrindo as portas do Reino a todas as pessoas que vivem na probreza extrema, que por sua condição, estão impossibilitados de participar diretamente dos sacrifícios rituais.

Acima de tudo, Jesus de Nazaré escolheu por mostrar em suas ações o que pode ser encontrado no íntimo de Deus, o Amor, traduzido em uma vida entregue a Humildade e ao Serviço. Jesus recusou-se terminantemente a liderança patriarcal que havia em seu tempo.

Em sua comunidade se estabeleceu um princípio de “Servir e não ser Servido. Ser o Menor para ser o Maior”.

Sua opção foi tão radical, que Ele mesmo optou por se chamar de “O Filho do Homem”, quando havia tantos títulos messiânicos extraordinários.

Jesus escolheu a imagem de identificação com a humanidade, inspirado nas visões de Ezequiel e Daniel.

Desde o começo, a comunidade cristã levou este princípio em seu seio, uma comunidade onde líderes eram, nem infalível, nem impotente, onde a liderança se baseia na soberania nem na desigualdade de uns com os outros, e sim em uma comunidade onde todos somos irmãos (o evangelho de Mateus registra uma forte advertência de Jesus para não chamar “Pai” a ninguém. Jesus adverte sobre o perigo de que a igreja se converta em um PATRIARCADO, em uma estrutura que promova a desigualdade).

Além disso, Lucas relata a tentação que Jesus teve de tomar Os reinos com sua Glória e Poder. Haverá sido uma advertência para a igreja, de que o convite para tomar o poder político ou religioso com uma intenção dominadora é uma tentação diabólica?

Mas o que aconteceu o que não tinha que acontecer.

A igreja, em diferentes momentos da história até hoje, tem cedido à tentação do mal de deixar de ser a voz da consciência dos governos para querer transformasse na esposa do poder vigente, deixou de ser perseguida para ser perseguidora, deixou de morrer pelo que amava e começou a matar pelo que acreditava.

Me assusta, hoje, em meu contexto evangélico, como se tem promovido a imagem de uma liderança baseada em formatos totalmente contraditórios com a imagem de Jesus. Hoje os líderes entendem seu papel como “ser servidos”, “ser o maior”, “sentar-se nos primeiros bancos”, etc. Sem falar do bom negócio, que para muitos, tornou-se ser um líder cristão.

Não sou radical, não me sinto confortável em uma igreja onde se abusa ou se subestima seus pastores, considerando-os meros empregados religiosos. Falo daqueles modelos que abundam hoje.

Nos modelos atuais, não se pode discordar de seu líder sem que ele imponha seus critérios e sua autoridade com frases como “Não toque no ungido” para esconder sua insegurança. Suas palavras são infalíveis e corretas, sua autoridade é assimilada cegamente, sem discernimento.

Há pessoas que não lêem a Bíblia, sua única fonte de conhecimento de Deus é o seu líder.

Hoje, digo com tristeza, vários de nós, pastores, já não escutamos os outros, só escutamos a nós mesmos. E se há algo perigoso na vida espiritual, é terminar escudando a si mesmo. E assim seguiremos, levantando impérios em nome de Deus, mais no fundo, só serão estruturas religiosas que rendem cultos e devoção ao seu líder fundador.

Talvez a tentação do diabo continue em vigor e quantos já não temos sido seduzidos em seus laços.

“Levantemo-nos uma e outra vez, até que leões se convertam em cordeiros”

Embora pareça minha proposta, não é.

Convido você para abrir a janela em Apocalipse 5. O relato nos leva a um culto celestial. No meio do trono aparece Deus com um livro em sua mão que registra a história da humanidade.

A questão é quem desatará os selos do livro? (Ou seja, quem tomará a história da humanidade em suas mãos). E ninguém em todo o universo é digno de tão importante tarefa.

De repente, João (autor do livro) chora, porque ninguém pode tomar conta de nossa história e dar um sentido e um fim.

Nesse momento clímax, alguém lhe diz para não chorar, porque o Leão da Tribo de Judá venceu.

João procura um leão, mais na cena não aparece um leão e sim um Cordeiro que em sua lã tem as marcas de ter sido sacrificado, mas continua invicto sobre a morte. Está falando de Jesus.

Que imagem mais rica em significado!

O Leão prometido é um Cordeiro.

Um cordeiro que venceu, não através da prepotência e sim através de ser fiel até a morte.

Logo no capítulo 11, aparece uma imagem misteriosa. Duas testemunhas, que tem o poder sobre os elementos da natureza, de suas bocas saem fogo para aqueles que tentam feri-los.Em todo o tempo profetizam, sem que suas profecias falhem. Somente depois de morrerem e serem ressuscitados, as pessoas reconhecem a Deus.

Parece-me que a tese é a mesma. Não é com nossas forças, nem com nossas capacidades, só quando estamos dispostos a morrer, Deus fará o resto.

Mas, infelizmente, sei que esta reflexão e muitas outras não chegarão a provocar mudanças no presente, pois os modelos atuais são muito mais atrativos. Sempre foi atrativo para o ser humano a tendência a se referir a outros e diferenciar-se dos demais. Temos perdido o chamado para influenciar nosso mundo e só nos persegue a idéias de IMPRESSIONAR.

O que nos resta então?

Que Deus nos levante com seu Espírito, que se levantem os que seguem ao Cordeiro, que se levantem uma e outra vez, para que toda a arrogância e desejos de poder cedam a oportunidade de ser verdadeiros facilitadores do Reino dos Céus.

Levante-se, uma vez e outra, até que os Leões se convertam em Cordeiros.

Autor: Ulises Oyarzun

 

 

Samuel Barbosa on EmailSamuel Barbosa on FacebookSamuel Barbosa on GithubSamuel Barbosa on GoogleSamuel Barbosa on Twitter
Samuel Barbosa
É servidor público na Rede Federal de Educação, Técnico em Informática e graduando no curso de superior de tecnologia em Sistemas para Internet, amante de guitarras e software livre.